2020: um ano para resistir!

Andar de bicicleta é liberdade. Poder fluir quando o trânsito engarrafa, ter maior mobilidade sentindo o vento no rosto, manter a saúde, praticar esporte ou como opção para reduzir gastos com transporte, são algumas razões para se aventurar sobre duas rodas e experimentar a cidade de outra maneira.

Belém historicamente pedala, seja pela topografia, clima ou distâncias curtas, a cultura da bicicleta traz saldos positivos a saúde da população e da cidade. Claro que em horários de sol muito forte e dias de chuva, um transporte coletivo público de qualidade e que integre modais seria o ideal para não tornar o deslocamento desgastante e perigoso para a saúde.

O código de trânsito é claro em seu artigo 58, que garante o ir e vir dos ciclistas nas vias de rolamento quando não houver pista segregada ou quando a mesma não estiver em condições de tráfego, e o art. 201, que obriga que motoristas de veículos automotores distanciem seus veículos 1,5m de distância aí ultrapassar ciclistas, mas nosso direito tem sido deliberadamente usurpado, o que já provocou duas mortes em menos de 20 dias.

O ano terminou com a trágica perda de Leandro Carvalho da Silva, 34 anos, no dia 29 de dezembro de 2019. Leandro, cursava doutorado na UFRA e usava a bicicleta para se deslocar e se exercitar, foi assassinado na ciclofaixa da Av. Pedro Álvares Cabral por um motorista bêbado que não prestou socorro.

Outro crime de trânsito fatal ocorreu no dia 11 de janeiro de 2020. João Santiago dos Santos era pai de cinco filhos e voltava para casa na borda da pista da BR 316 quando foi atingido covardemente por um motorista de ônibus, que não tomou a devida distância de 1,5m.

Ruth Costa, que é uma das diretoras da União de Ciclistas do Brasil – UCB e compõe o grupo “Pedala, Mana!”, além deste coletivo ParáCiclo. Ruth passou no local minutos depois do ocorrido e pode conversar com familiares. Na conversa solicitou a bicicleta para ser colocada no poste como homenagem e compartilhou sua intensão com outros ciclistas no intuito de chamar uma Bicicletada* extraordinária para colocar a “ghost bike”** de João, doada por sua viúva no dia do ocorrido.

A primeira Bicicletada de 2020 contou com a presença de centenas de ciclistas e ficou marcada pela mobilização de diversos coletivos e grupos de ciclismo, que se mobilizaram para se deslocar do Mercado de São Brás, ponto de encontro histórico das Bicicletadas de Belém, até o ponto onde João foi assassinado para pendurar sua ghost bike. Em seguida um rodado branco foi posto para homenagear Leandro na ciclofaixa da Av. Pedro Álvares Cabral, que teve sua largura reduzida pela atual gestão da prefeitura de Belém.

Se por um lado a BR316 ficou bem mais perigosa para ciclistas e pedestres após o início das obras da Nova BR, vale ressaltar que a intervenção do DNIT de poucos anos atrás, que retirou o acostamento de alguns trechos para transformar em pista de rolamento, deu início a isso, que aliada a falta de vontade política ou negligência dos órgãos responsáveis, por não atuarem de maneira efetiva na fiscalização e prevenção de crimes de trânsito contra ciclistas, façam com que trafegar pela BR316 seja um ato heróico, para muitos amantes da bicicleta, e marginal para motoristas que desconhecem ou ignoram o CTB em nome de sua pressa.

Quem dirige uma máquina de aço tem que ter consciência de sua responsabilidade e capacidade destrutiva. Não respeitar 1,5m, independente do comportamento do ciclista, em segundos transforma um cidadão de bem em um assassino.

Acreditamos que quanto mais pessoas estiverem pedalando nas ruas, mais rápida será a mudança de consciência. Os tiranos em seus carros são poucos em relação ao crescente número de pessoas que respeitam o bom convívio nas vias e não reduzirão o potencial libertador de andar de bicicleta. Continuaremos resistindo nas ruas, compartilhando a cidade e acreditando que a união das pessoas que utilizam da bicicleta contribuem para sensibilizar/conscientizar a sociedade e tensionar o poder público a criar estrategias de promoção de uso seguro da bicicleta.

*Bicicletada é um movimento sem líderes que pauta o direito à cidade pelos ciclistas. A versão brasileira e, consequentemente a belenense, são inspiradas no movimento cicloativistas Críticas Massa, que surgiu em San Francisco, Estados Unidos, na década de 1990.
** Bicicletas pintadas de branco colocadas em lugares onde ciclistas foram vítimas fatais de crimes de trânsito.

WhatsApp Image 2020-01-21 at 07.31.54Foto: @sentandoabota

WhatsApp Image 2020-01-21 at 07.31.54 (1)Foto: @sentandoabota

WhatsApp Image 2020-01-14 at 11.22.38Foto: Coletivo ParáCiclo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s